Bimboo

 

Previsão do Tempo

Dourados
+20°C
08/01/2014 15h42

Saiba como identificar a intolerância a lactose

 

É possível conviver com a intolerância e importante ficar atento para não ter o consumo de cálcio comprometido.

Dores e inchaços abdominais, gases e diarreia são alguns sintomas da intolerância à lactose, deficiência do organismo na produção da lactase, enzima capaz de quebrar e digerir a lactose, dissacarídeo mais conhecido como açúcar do leite, formado por dois carboidratos: a glicose e a galactose.

Durante a amamentação, a atividade da lactase no intestino é alta, mas declina naturalmente após o desmame.

“Quando ocorre a falta desta enzima, a lactose, que é uma boa fonte de energia para os micro-organismos do cólon, é fermentada com ácido láctico, metano e gás hidrogênio.

O gás produzido cria uma sensação de desconforto por distensão intestinal e flatulên­cia.

O ácido láctico produzido pelos microorganismos puxa água para o intestino, assim como a lactose não digerida, resultando em diarreia.

Pessoas com estes distúrbios são consideradas intolerantes à lactose”, explica a nutricionista Kimielle Cristina Silva Consultora Técnica da Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde (CGAN/DAB/SAS/MS).

Segundo a nutricionista, há três tipos de intolerância a lactose: a congênita é a mais rara, onde o bebê já nasce com deficiência na lactase, tendo diarreia quando amamentado ou ao ingerir alimentos a base de lactose.

A primária ou genética, sendo a ausência parcial ou total da lactase, é desenvolvida na infância e em diferentes idades.

É a forma mais comum de má absorção de lactose e de intolerância. Há ainda a secundária ou adquirida, resultado de lesões no intestino delgado ou de alguma doença, como desnutrição, quimioterapia e cólica ulcerativa. Também pode se apresentar em qualquer idade, mas é mais comum na infância.

Ao contrário do que muita gente pensa, a intolerância a lactose não é alergia ao leite. “Como o próprio nome diz, é uma intolerância.

As alergias à proteína de leite de vaca são dependentes de mecanismos imunológicos. As reações são imediatas e os sintomas ocorrem em até duas horas após a exposição.

As manifestações mais comuns são as reações cutâneas, gastrointestinais, respiratórias e sistêmicas, que em alguns casos podem levar a choque anafilático”, esclarece Kimielle. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece exames para a detecção da alergia.

Já a intolerância à lactose possui outros sintomas, de acordo com grau, forma e quantidade de substância ingerida.

“A quantidade de lactose causa sintomas variantes de indivíduo para indivíduo, dependendo da dose de lactose in­gerida, o grau de deficiência de lactase e a forma de alimento consumido.

Os sintomas mais comuns são: flatulência, diarreia, ou às vezes constipação intestinal, distensão abdominal, náuseas e sintomas de má digestão”.

A intolerância é diagnosticada por meio de acompanhamento médico, como pediatras e gastroenterologista, disponíveis na rede do SUS.

Convivendo com a lactose

Felizmente, a intolerância a lactose é fácil de ser contornada. Apesar de não existir métodos de aumentar a produção de lactase pelo organismo, uma dieta pode controlar o problema.

Segundo Kimielle, muitos jovens e adultos não precisam abrir mão completamente do consumo de alimentos com lactose. “As pessoas diferem nas quantidades de lactose que podem ingerir.

Alguns podem tomar um copo de leite sem problemas, mas não podem tomar dois. Outros podem consumir queijos curados, mas não podem consumir queijos frescos.

O controle da dieta para as pessoas intolerantes depende de se experimentar os limites que cada um suporta. ”, recomenda.

Um dos maiores problemas para quem tem intolerância, justamente por não evitarem o consumo leite e seus derivados, é ter o consumo de cálcio comprometido.

“É um dos minerais mais importantes, pois ele é o responsável pela constituição dos ossos e dentes, além de ser fundamental para a manutenção de várias funções do or­ganismo, como a contração muscular, coagulação do sangue, transmissão de impulsos nervosos e secreção de hormônios”, lembra Kimielle.

Portanto, a nutricionista recomenda outros alimentos que podem ser fontes de cálcio, como legumes e verduras (vegetais de folhas verdes, couve, alface, abobrinha, repolho, brócolis, aipo, mostarda, erva-doce), feijão, ervilhas, salmão, tofu, laranja, amêndoa, sementes de gergelim, melaço e cereais enriquecidos com cálcio. (Blog da Saúde)


Envie seu Comentário

Antes de escrever seu comentário, Atenção! O Dourados Agora não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Restamcaracteres. * Obrigatório
 

As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos autores.
Copyright © 2011 - DouradosAgora - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por: Lobo Tecnologia&Internet

logo-bimboo