22/10/2013 06h55 - Atualizado em 22/10/2013 06h55

Padrasto é acusado de espancar menino de 1 ano e 9 meses até à morte

Menino estava em casa com ele, enquanto a mãe de 20 anos trabalhava no shopping; enquanto isso, o homem agrediu a chutes, socos e pontapés o menino que foi arremessado e bateu a cabeça numa mureta. Morreu pouco depois de dar entrada no hospital

 
Douradosagora
Davidson foi autuado em flagrante por homicídio triplamente qualificado Davidson foi autuado em flagrante por homicídio triplamente qualificado

Um homem de 25 anos é acusado de espancar o enteado de um ano e nove meses, que morreu pouco depois ao dar entrada em hospital de Dourados.

Segundo registrado em boletim de ocorrência da Polícia Civil, ontem, Davidson C.S., estava em casa na Rua das Abacateiras, no Jardim Colibri, cuidando da criança, enquanto a mãe de 20 anos trabalhava no shopping.

Entre 15h e 17h, a criança dormiu. O padrasto que já havia ingerido vodka em casa, bebia cerveja num bar perto dali e chegou meia hora depois. Ele foi dormir e acordou por volta das 21h.

Segundo depoimento do homem à delegada Andréia Alves Pereira, ele caiu durante o banho sobre a criança que, ferida, começou a chorar.

A partir disso, conforme a polícia, o padrasto começou a surrar o menino a tapas, socos e chutes. Como não parava de chorar, o homem chutou o enteado que, segundo a polícia, foi arremessado sobre uma mureta na sala. A criança desmaiou. Ele tentou reanimar o enteado embaixo do chuveiro, mas não adiantou.

Ele contou à delegada que mandou mensagem para a mulher dele, mãe da criança, informando que havia caído sobre o menino no banheiro e o filho estava machucado. Ela retornou pedindo que não deixasse a criança dormir e chegou cerca de 20 minutos depois.

De acordo com o depoimento, enquanto a mulher não chegava, o homem colocou o menino sobre a cama, acendeu um cigarro e foi assistir a televisão.

A mãe da criança acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Socorristas conseguiram reanimar o menino, que havia sofrido uma parada cardiorespiratória, e foi encaminhado em estado crítico ao hospital, onde morreu pouco depois de dar entrada naquela unidade hospitalar.

Davidson, que a princípio negou o crime dizendo que o enteado havia caído, acabou confessando, depois de ter sido confrontado pelos médicos que atenderam o menino. Ele foi autuado em flagrante por homicídio triplamente qualificado e vai permanecer preso à disposição da Justiça em cela isolada.

Há algumas semanas, o guardador de carros que atuava há anos nas cercanias do shopping de Dourados foi preso depois de espancar até a morte o filho de uma 'funcionária', que trabalhava para ele e morava 'de favor' na casa.

Envie seu Comentário