16/04/2012 08h30 - Atualizado em 16/04/2012 08h30

Passageiros usam o facebook para reclamar de serviços de coletivos

Eles utilizam a rede social Facebook para reclamar sobre o serviço do transporte público

 
Flávio Verão
Usuário registrou momento de chuva dentro de um coletivo em Dourados Usuário registrou momento de chuva dentro de um coletivo em Dourados

Usuários do transporte público em Dourados criaram uma página na rede social Facebook para reclamar sobre a situação do transporte oferecido na cidade, considerada precária por eles.

A gota d’água para o protesto na internet ocorreu após o desmaio de uma estudante durante o trajeto da Cidade Universitária ao centro de Dourados. O coletivo estava superlotado. A aluna passou mal e teve que ser socorrida pelo Samu.

Organizada por acadêmicos da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), a página no Facebook criada há menos de uma semana já conta com mais de cinco mil membros. A maioria é composta por estudantes, mas há também trabalhadores que dependem do coletivo diariamente.

O estudante de psicologia da UFGD Joelson Silva Fernandes foi quem organizou o protesto na internet. “É uma forma de reivindicarmos por melhoria na qualidade de serviço”, resumiu. Ver a colega do curso desmaiar dentro do coletivo é para ele uma prova da situação em que o serviço está sendo oferecido na cidade.

“Já estava bastante cheio e o motorista disse que não sairia da universidade se não lotasse o ônibus. De tanto ficarmos espremidos a colega teve queda de pressão e desmaiou”, disse ele.

Grupo de estudantes se reuniu neste final de semana para elaborar propostas a serem entregues à concessionária Medianeira, responsável pelo transporte público na cidade, e também para a prefeitura. A ideia é sugerir medidas que possam beneficiar os usuários.

Na penúltima chuva que caiu em Dourados um usuário registrou imagem bastante atípica dentro do coletivo. Para não ser molhada, uma mulher abriu o guarda-chuva. Visivelmente lotado, o ônibus da linha Izidro Pedroso estava com problema na “entrada de ar”, localizada no teto. Resultado: chuva no coletivo, principalmente em cima de um dos assentos.

VISTORIA

A cada seis meses equipe coordenada por um engenheiro mecânico da prefeitura faz vistoria os 56 ônibus que circulam na cidade. Eles só carregam passageiros com o selo de revisão emitido pela prefeitura, atestando perfeitas condições de uso.

Marcelo Saccol, gerente da Medianeira, diz que a empresa atende todas as medidas solicitadas pela prefeitura, regras básicas exigidas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

“Todos os veículos só circulam após manutenção”, garante Marcelo. Ele acrescenta que os horários de circulação da cada linha também é elaborado pela prefeitura, após uma série de estudos. “Se estão questionando sobre superlotação, vamos então sentar para discutir e ver o que pode ser feito”, ressaltou.

Marcelo não falou sobre a quantidade de ônibus com mais de dez anos de circulação. “Esse não é o problema, já que passam por manutenção. Somente no ano passado inserimos dez coletivos novos”, disse ele. Por lei um coletivo não pode circular após dez anos de uso.

“Renovação de 100% da frota implica em custos, o que resulta no aumento da tarifa”, declarou o gerente da Medianeira, garantindo que a soma geral de todos os coletivos tem uma idade razoável para circular na cidade.



Envie seu Comentário