90% dos casos de bulimia ou anorexia ocorrem em mulheres

Depressão e distanciamento da família representam alguns dos sintomas deste mal

Estudos realizados pela Universidade Federal de Santa Catarina reforçam o poder destrutivo que os padrões de beleza exercem entre as mulheres. O alvo foi analisar como as doenças que envolvem transtornos de comportamento alimentar atingem e podem levar ao óbito pessoas aparentemente saudáveis.A origem dessa obsessão é desenvolvida pela intensa divulgação de que ter um corpo magro é sinal de sucesso e felicidade. Então, meninas, cada vez mais jovens, passam a pular refeições ou comer de forma desregrada para perder peso mais rapidamente. De acordo com a psicóloga Mariuza Pregnolato, uma vez instalada a doença, a pessoa começa também a apresentar alterações comportamentais, tornando-se mais arredia, isolando-se para realizar determinadas atividades que antes compartilhava com a família, tendendo a tornar-se depressiva e mais introspectiva. Embora os sintomas pareçam fáceis de serem identificados, os portadores camuflam todas as suas reações. Para poder ajudar, é preciso observar diariamente a rotina e costumes das pessoas que passam a cultuar o corpo de forma excessiva.Enquanto a anorexia é caracterizada pela constante sensação de estar acima do peso, levando as pacientes a emagrecer através de dietas e exercícios físicos rigorosos, a bulimia se revela sob uma forma incontrolável de ingerir uma grande quantidade de alimento seguido pelo arrependimento e a indução do vômito ou ingestão do laxante e diuréticos. O bulímico não perde tanto peso como o anoréxico, dificultando identificar o problema , alerta a nutricionista Gabrielle Carassini Costa, do Ganep Nutrição Humana. Em ambos os casos, as conseqüências que essas doenças deixam na saúde são grandes e podem levar ao óbito: Anorexia: Anemia, distúrbios hidroeletrolíticos, bradicardia, insuficência cárdica, edema, cálculo renal, pele seca, queda de cabelo, amenorréia, distúrbios hormonais, pancreatite, obstipação intestinal, entre outros males.Bulimia: Erosão no esmalte dentário e hipertrofia de glândulas paróticas ambos devido aos vômitos, cáries, gastrite, esofagite, erosões gastroesofágicas, constipação, desidratação, irregularidade menstrual.Quanto mais cedo forem identificados os sintomas, maiores são as chances de evitar um estágio mais grave das doenças. Uma equipe multidisciplinar é fundamental para acompanhar e diagnosticar as várias causas que originaram o mal. Psiquiatra, psicólogo e nutricionista trabalham em conjunto para que o paciente possa se permitir ingerir alimentos que antes eram considerados por ele mesmo como proibidos. Se não for controlada, enfatiza Mariuza Pregnolato, a doença avança e pode provocar males irreversíveis, como: Magreza excessiva (é possível "ver" seu esqueleto sob a pele);

Hipotensão (pressão arterial baixa);

Intolerância ao frio;

Osteoporose;

Constipação intestinal (intestino preso);

Dificuldade de ingerir alimentos;

Amenorréia (ausência de menstruação);

Sensação de cansaço e fraqueza com mal-estar, vertigens e confusão mental;

Desequilíbrio hormonal com possível infertilidade;

Unhas quebradiças;

Queda acentuada e contínua dos cabelos;

Pele ressecada e sem tônus;

Bradiquardia (batimento cardíaco baixo);

Perda da libido;