Bimboo

 

Previsão do Tempo

Dourados
+20°C

Criadores de galinhas apelam à Câmara

 
Criadores de galinhas pode continuar atividade em chácaras localizadas na zona rural Criadores de galinhas pode continuar atividade em chácaras localizadas na zona rural

Valéria Araújo

O veto à criação de aves e suínos no perímetro urbano vem criando polêmica entre os chacareiros de Dourados. Um grupo de 20 sitiantes já está se mobilizado para evitar a perda destes animais, criados em chácaras.

Anteontem, uma comissão formada por estes ruralistas estiveram na Câmara de Vereadores. De acordo com a criadora de aves, Darci Gomes Rossi, o objetivo foi pedir ajuda ao Legislativo para intervir sobre a proibição de criar galinhas nas chácaras. “Entendo que na cidade a criação até pode ser proibida, mas nas chácaras também? São poucas galinhas que tenho; são apenas para consumo da minha família. Do lado da minha casa existem somente barracões e não há moradores. Que mal há em criar estas aves?”, indaga.

Segundo ele, uma lista de mais de 20 chacareiros foi elaborada e um abaixo-assinado pode ser feito nos próximos dias. “Tem muita gente que sobrevive graças a criação de galinhas e porcos. As aves garantem o sustento da família e muitos não terão condições de arcar com a compra deste tipo de carne no mercado”, explica.

O chacareiro Júnior Muniz de Andrade, denuncia supostos abusos por parte do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). “Eles estão chegando e já querendo levar todas as aves. Não há mais notificações nem prazos”, reclama. Segundo ele, o CCZ só não levou os animais que cria porque o pai dele alegou que a entidade não tinha autorização para entrar na propriedade. “Mesmo assim, estamos preocupados porque isto pode acontecer a qualquer momento”, disse, alertando que se nada for feito, o grupo poderá dar início a uma onda de protestos.

SAÚDE

O diretor do Departamento de Vigilância em Saúde do município de Dourados, Eduardo Arteiro Marcondes, diz que a criação de animais dentro do perímetro urbano é um risco à saúde pública. “As condições de insalubridade como são criados estes animais afetam a vida de todos. No caso das aves, sem nenhuma inspeção, elas são criadas de forma propícia para o desenvolvimento de doenças como a toxoplasmose ou a leishmaniose.

Os suínos, além de criarem problemas ambientais, já que temos flagrado o descarte de vísceras podres e demais resíduos em locais próximos a córregos, geram verminoses pela forma com que são criados e abatidos. Estes microorganismos atacam diretamente a saúde humana. Às vezes o criador não sabe que o filho está doente, com uma diarréia por causa da ingestão da carne imprópria para o consumo”, explica.

Eduardo reforça sobre os riscos, alertando que a criação destes animais prejudica até mesmo o cultivo de hortifruti. “Temos visto que as fezes destes animais acabam atingindo verduras e frutas, levando todo o tipo de microorganismos para estes alimentos. É o que chamamos de contaminação cruzada, que vai refletir em surtos de doenças causadas por bactérias diversas e que lotam os hospitais e podem até mesmo tirar a vida de muita gente, se não tratada a tempo. É risco para as famílias que criam estes animais e também para aquelas da cidade que acabam consumindo”, reforça.

Segundo o diretor, a ação de recolhimento destas aves e suínos é uma determinação da Lei 3180 prevista no Código de Posturas do município. Marcondes diz que desde 2008 todos os chacareiros que estão na área urbana da cidade estão sendo notificados, mas que de lá para cá, a maioria nunca levou as orientações a sério.

Ele afirma que na zona rural, nenhum chacareiro será notificado a interromper as criações. “Os moradores em localidades como a Campina Verde, Califórnia, Caiuás, entre outros, devem entender que ali não é mais sítio, e sim bairros, que estão dentro do perímetro urbano e precisam ser tratados como tal. As condições insalubres geradas nestes pontos afetam toda a cidade e os moradores de todos os bairros. É preciso impedir que isto aconteça. Ele afirma que os gastos que estas famílias terão para tratar infecções alimentares, entre outras doenças, são bem maiores do que adquirir uma carne inspecionada no mercado”, garante o médico veterinário.

(4) Comentários

Envie seu Comentário!

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.
 

isso é um absurdo total.os legisladores ao inves de se preocuparem em tornar as leis mais punitivas aos bandidos,fazem o contrario querem dificultar ainda mais a vida dos trabalhadores. depois vem com a historinha de aumento da classe C.senhores vereadores façam algo de bom , ja que esse prefeito so quer priorizar a classe rica da cidade.

 
roberto em 10 de agosto de 2011 às 21:57

Isso é um absurdo, dessa forma somos obrigado a comer carne de galinha de granja! hormonio puro, e mais esse negocio que tramite doença e mentira! Muitas pessoas com idade bem avançada foram criadas criando e comendo galinha caipira, a bem da verdade é que a gente não manda mais no que é da gente e temos que brigar mesmo pelo nosso direito, pois quendo fomos comprar uma sitioca no cartaz de propaganda (foto ilustrativa) de varios animais inclusive galinhas! Hoje é facil dizer pare de criar, e quem vai pagar meu investimento, minha moradia sem asfalto, todos esse anos aguentando para poder criar alguns animais sem ser encomodado! Vou dizer uma coisa, que venha o centro de zoonozes só entra em casa com mandado e vou brigar na justiça até o fim! ja estou preparado!! Desculpa pelo desabafo.Zé galinha.

 
walmir em 10 de agosto de 2011 às 09:51

Considero absurdo que ainda haja criação de animais no perimetro urbano da 2ª maior cidade do estado, não é muito difícil ver cavalos e aves principalmente nos bairros mais afastados. Um estado onde leishmaniose é comum não deveria tolerar a criação desses animais, pondo em risco a população principalmente os idosos e crianças vizinhas dessas pessoas que criam esses animais. Por isso devemos denunciar todas essas pessoas que criam esses animais, pois estão pondo em risco nossa familia.

 
Junior em 10 de agosto de 2011 às 08:58

NUNCA VI EM NEM UMA CIDADE BRASILEIRA RELATO DE QUE ALGUN SER HUMANO TENHA MORRIDO POR TRANSMISSAO DE DOENCAS TRANSMITIDAS PRINCIPALMENTE POR AVES, MAIS POR FOME A GENTE VE TODOS OS DIAS
E NINGUEM FAIZ NADA.

 
ANTONIO COSTA em 10 de agosto de 2011 às 08:00

Expediente | Anunciar no site | Trabalhe Conosco | Contato

As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos autores.
Copyright © 2011 - DouradosAgora - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por: Lobo Tecnologia&Internet

logo-bimboo