Bimboo

 

Previsão do Tempo

Dourados
+20°C

Filhotes de cães ou gatos podem ser um bom presente para crianças?

 
Nunca é demais lembrar: animal não é brinquedo!:Foto Stock Photos Nunca é demais lembrar: animal não é brinquedo!:Foto Stock Photos
A resposta pode ser sim, se houver total certeza da posse responsável

Escolher um presente para pessoas queridas nem sempre é fácil.

Para crianças, o desejo de agradar é ainda maior. Nessa hora, há quem cogite dar um filhote de cachorro ou gato, algo que pode ser um grande acerto, mas também pode se transformar em um algo muito ruim se não houver bom senso por trás da decisão.

Como avaliar se um bichinho pode ser um bom presente? Primeiramente, é preciso verificar se a pessoa deseja e tem disponibilidade para cuidar do pet, seguir critérios de escolha do bicho e não esquecer: trata-se de um presente para muitos anos.

Bicho não é descartável! Quem orienta é a médica veterinária da PremieR Pet, Keila Regina de Godoy.

É fundamental verificar o perfil do dono: se é adulto, criança ou idoso, quais os seus hábitos de vida e nível de atividade. Isso porque deve haver sintonia entre o bicho e seu proprietário, ou seja, eles devem ter o mesmo “pique”.

Imagine uma criança pequena e agitada com um cão tranquilo e sonolento. A tendência é que a criança se frustre e o cão se canse. Temperamentos parecidos permitem que bicho e dono se tornem companheiros de vida.

Nesse quesito, vale ressaltar: nem sempre o animal mais bonitinho (esteticamente) é o mais adequado. Crianças cheias de energia e curiosidade tendem a ter afinidade com raças com o mesmo perfil, como beagle, shih tzu, boxer, labrador.

O porte do animal é outro aspecto que merece atenção. Animais grandes precisam de espaços maiores. Crianças pequenas e idosos podem não dar certo com animais de maior porte se não houver adestramento, pois há maior risco de incidentes. Além disso, o adestramento ajuda a manter um relacionamento saudável.

Não são raros os casos de doação motivados pelo incômodo com hábitos inconvenientes dos bichos, como pular e morder. No caso de crianças, é importante educá-las para lidar com o animal e evitar comportamentos inadequados, como brincadeiras agressivas.

Não é uma boa medida presentear com um cão uma pessoa que passa todo o tempo fora de casa. O bicho sofre, mesmo aquele de temperamento mais tranquilo e menos dependente.

Nesse caso, vale cogitar outra espécie de animal, como o gato, que é um pet de hábitos sanitários práticos, silencioso, independente e noturnos.

Naturalmente, ele tende a despertar para brincadeiras após as 18h, horário mais compatível com quem trabalha fora o dia todo.

Decidido qual será o bicho e a raça, é hora de tomar cuidados na aquisição. Vale evitar as feiras em vias públicas e procurar um canil de boa procedência, olhar as instalações, a conservação e higiene.

Para se precaver de comprar “gato por lebre”, é válido pedir para conhecer os pais do filhote.

Para se certificar de que o bicho está em boas condições de saúde, verifique se não há secreção nasal, ocular, espirros e tosses. Perceba se o filhote não demonstra estar medroso ou acabrunhado demais.

Informe-se se o filhote foi vacinado e vermifugado. É uma questão de saúde para o animal e também para o dono, especialmente no caso de crianças.

Oriente o proprietário de que a primeira providência deve ser levar o bichinho em um veterinário de confiança, que será o “pediatra” dele durante toda a infância, garantindo cuidados adequados para uma vida saudável. (DONNA ZH ONLINE)

Expediente | Anunciar no site | Trabalhe Conosco | Contato

As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos autores.
Copyright © 2011 - DouradosAgora - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por: Lobo Tecnologia&Internet

logo-bimboo