Mais de 90% da cevada plantada no Brasil é resultado da pesquisa nacional

Embrapa Trigo - 05/01/2017 12h09

 
Foto: Luiz Eduardo Meneguetti Foto: Luiz Eduardo Meneguetti

No Brasil, 91% da cevada plantada é de cultivares BRS, sigla que identifica materiais provenientes do programa de melhoramento genético liderado pela Embrapa. Nas lavouras irrigadas paulistas, 100% das plantações são formadas por cultivares nacionais.

A produção nacional de 300 mil toneladas/ano de cevada atende apenas 43% da necessidade da indústria brasileira para produção de malte.

Para suprir a demanda da indústria cervejeira nacional, ainda são importadas anualmente 400 mil toneladas de cevada para completar a produção industrial de 1,3 milhão de toneladas de malte.

Impulsionados por mudanças de hábitos de consumo, produtos derivados da cevada estão em alta no varejo. O Brasil já conta com 5.254 produtos de cervejarias registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), distribuídos em cerca de 80 tipos diferentes de cerveja.

Entre 8 de abril e 17 de maio do ano passado, o número de cervejarias registradas no Mapa passou de 320 para 397. O crescimento se deve à abertura do mercado para novas tendências, principalmente as cervejas artesanais.

"A pesquisa precisa sempre estar atenta à evolução do mercado e das demandas para o produto que trabalha", salienta o pesquisador Euclydes Minella, da Embrapa Trigo (RS).

Para atender tanto as necessidades dos produtores quanto o padrão de qualidade da indústria, o programa de melhoramento genético de cevada cervejeira, iniciado em 1977 pela Embrapa Trigo, atua fortemente por meio de parcerias.

"A parceria informal até meados de 1990, e formal desde então, proporciona a garantia de que só se destinam para a lavoura cultivares de fato competitivas em rendimento e qualidade, satisfazendo o interesse de produtor e indústria", comenta Minella. Atualmente as maiores áreas são cultivadas com as cultivares BRS Brau, BRS Elis e BRS Cauê.

Integração com o mercado

O diferencial do programa de pesquisa da cevada é a integração entre produtores, maltaria e indústria de bebidas por meio de programas de fomento, assistência técnica e compra garantida do produto mediante contrato firmado entre empresas e produtores, seja individualmente ou representados por cooperativas ou associações.

"A principal vantagem deste sistema está na fixação de preço antes do cultivo e na ‘liquidez' de mercado, dando ao produtor condições de planejar seus investimentos na produção", destaca a pesquisadora Cláudia De Mori, da Embrapa Pecuária Sudeste (SP), que participou da análise econômica do complexo agroindustrial da cevada.

Outra importante vantagem é a liberação antecipada de área para os cultivos de verão pela precocidade de seu ciclo e a deposição de palhada de excelente qualidade para manejo de ervas daninhas e cobertura de solo.

A organização da cadeia, possibilitada pelo trabalho integrado, favorece também o atendimento às mudanças nos hábitos de consumo de cerveja.

As novas tendências de consumo, como a busca por cervejas artesanais, e incremento do consumo em casa em substituição a ida ao bar ou restaurante, têm expandido a oferta de produtos derivados de cevada nos supermercados.

E para que o consumidor saboreie uma cerveja de qualidade, os esforços começam ainda nas bancadas dos laboratórios dos pesquisadores.

O apoio tecnológico à produção é suprido, principalmente, pela Embrapa em convênio com as maltarias. "A Embrapa acompanha esse movimento procurando entender as demandas em termos de qualidade do malte, e por consequência, da cevada", comenta Minella.

Dependência da cevada importada

"O Brasil é grande consumidor e importador de malte [cereal germinado seco] e cevada apenas para atender a indústria cervejeira, havendo, portanto, grandes oportunidades para o aumento da capacidade de malteação e da produção de cevada", salienta Minella.

Para o especialista, a competitividade proporcionada pela genética desenvolvida pela Embrapa tem contribuído para a sustentabilidade da cadeia.

Cultivares de cevada

"As cultivares BRS Itanema, BRS Korbel e BRS Quaranta deverão substituir com vantagens as atualmente em cultivo", comenta Minella.

A BRS Itanema já está sendo produzida comercialmente. As demais estão em fase de validação da qualidade de malte ao nível de indústria e de multiplicação de sementes.

A ampliação da área plantada com cultivares BRS contribuiu para o aumento de produtividade na cultura da cevada. Em 1985, por exemplo, quando ainda não havia cultivos com genética Embrapa, a produtividade média foi de 1.671 kg/ha.

Dez anos depois, as cultivares BRS ocupavam 46% da área cultivada com cevada no Brasil e a produtividade média saltou para 2.526 kg/ha.

A perda de produtividade em 2015, 30% inferior à média dos últimos dez anos, se deve a influências climáticas.

"A safra de 2015 foi produzida sob o efeito climático do El Niño associado ao excesso de chuvas na fase de maturação e colheita", explica Minella.

Para 2016, a Conab prevê uma produtividade nacional média de 3.300 kg/ha e as cultivares BRS devem superar 91% da área plantada.

Paixão nacional

A cerveja já foi apontada, por pesquisa do Ibope em 2013, como a bebida preferida de 64% dos brasileiros para comemorar os bons momentos. Em volume de consumo total, o Brasil é o terceiro maior mercado para cerveja no mundo.

Enquanto China e EUA permanecem como os países com maior volume de vendas, o Brasil registrou crescimento de 5% de 2013 para 2014, segundo levantamento da Kirin Beer University.

Quando analisado o consumo per capita de cerveja, o Brasil registra 68,3 litros por ano, o que posiciona o País em 26º no ranking global.

O faturamento anual do setor cervejeiro nacional é estimado em R$70 bilhões pela Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil).

 
Fonte: Conab/Embrapa Fonte: Conab/Embrapa

Envie seu Comentário