PMA autua dois pescadores por pescar em período da piracema e apreende barco, motor e anzóis de galho

Os pescadores alegaram que iriam testar o motor de popa no rio

13/02/2018 08h01 - DouradosAgora


PMA em fiscalização durante o período da Piracema PMA em fiscalização durante o período da Piracema
 
PMA apreendeu o barco e outros itens PMA apreendeu o barco e outros itens

Equipe da Polícia Militar Ambiental de Mundo Novo, que trabalha na operação Carnaval, autuou dois pescadores por pesca predatória. Segundo informações da PMA, ao DouradosAgora, os homens residentes em Mundo Novo foram abordados quando iniciariam uma pescaria ilegal no Rio Iguatemi.

Eles estavam com um barco, um motor de popa e tinham iscas vivas, 25 anzóis de galho e uma fisga (petrechos proibidos), além de duas carretilhas de pesca com varas. Os pescadores alegaram que iriam testar o motor de popa no rio.

Os materiais foram apreendidos e as iscas foram soltas no habitat natural. Os pescadores, de 35 e 44 anos, foram atuados administrativamente e multados em R$ 700,00 cada um. Eles também responderão pelo crime ambiental de pesca predatória. Se condenados, poderão pegar pena de um a três anos de detenção.

A PMA lembra que a pesca está fechada durante o período de carnaval em todos os rios do Estado, à exceção da calha do rio Paraguai, que desde o dia 1º de fevereiro está aberta na modalidade pesque-solte. O período de defeso encerra somente no dia 1º de março.

Algumas pessoas que vão passar o feriado em ranchos às margens de rios insistem em praticar pesca nesse neste período proibido. Outras armam anzóis de galho (petrecho proibido), devido ao pouco tempo de exposição em atividade ilegal, tanto para armar, como para retirar o petrecho.

ALERTA

À exceção do pesque-solte na calha do rio Paraguai, a PMA informa que a única pesca permitida neste período na bacia do Rio Paraguai e nos rios de domínio do Estado de Mato Grosso do Sul, na Bacia do rio Paraná é a pesca de subsistência. Subsistência é manutenção da vida. Então, quem pode pescar é o ribeirinho e populações tradicionais que precisam da proteína do peixe para manutenção de sua vida.

Eles podem capturar 3 kg, ou um exemplar, respeitando as medidas permitidas, porém, não podem comercializar em hipótese alguma. Portanto, a população das cidades lindeiras, bem como pessoas que vão passar o final de semana em ranchos às margens dos rios, não podem pescar de forma alguma.

Informações ou denúncias que possam ajudar o trabalho policial, devem ser repassadas pelos telefones: Polícia Militar: 190; Polícia Rodoviária Federal: 191; Polícia Militar Rodoviária Estadual (PMRE): 3421.0014; SIG: 3411.8080; DOF: 3411.8080; Defron: 3410.4800 e 3410.4800; Polícia Federal: 3410.1700 e 3420.1757; Polícia Civil - 1º Distrito Policial: 3411.8060; Polícia Civil, 2º Distrito Policial: 3424.6911 e 3424.5633; Guarda Municipal: 199; Polícia Militar Ambiental (PMA): 3357-1500– 9905-7763 - vivo – WhatsApp/ 9106-8628 - Claro / 8171-4270 - (Tim)/ 8475-0553 (Oi).



Envie seu Comentário