18.9 C
Dourados
sábado, 21 de maio de 2022

Alta no custo de produção de milho leva agricultores a adotarem novas estratégias

- Publicidade -

Por Canal Rural 

O destaque no alto custo de produção do agro continua sendo os fertilizantes. O adubo é essencial para a produção agrícola e o Brasil depende da importação desses produtos, principalmente da Rússia. Com um cenário internacional complexo, na política e na economia, é preciso criar estratégias para equilibrar os desembolsos na atividade.

A colheita do milho na propriedade de Josuel de Moraes, em Araçoiaba da Serra (SP), está prevista para o final de agosto. A média produtiva da lavoura está estimada em 140 sacas por hectare. Mas, para melhorar a margem de lucro, foi preciso ajustar as contas.

Os insumos utilizados na lavoura do produtor foram negociados à vista no final de janeiro, com a renda da soja que foi colhida. Mesmo assim, os produtos ficaram 50% mais caros que em 2021. Outra estratégia para reduzir o custo de produção foi diminuir a dosagem de adubação. A quantidade aplicada este ano foi 30% menor que na safra passada.

Para equilibrar ainda mais as despesas, o produtor Josuel de Moraes apostou no uso de defensivos biológicos, onde ele projeta uma economia de 80%. Outra estratégia foi investir em culturas de inverno. Com a boa rentabilidade do trigo no mercado, o plantio do cereal deve iniciar na próxima semana.

Na propriedade de Marcelo Góes, em Itapetininga (SP), a situação com o custo de produção não foi diferente. Assim que colher o milho segunda safra, ele já deve entrar com a soja. Os insumos foram comprados de forma antecipada, em novembro do ano passado. Só faltou o fertilizante, que foi adquirido de forma antecipada após a invasão na Ucrânia.

Mesmo adquirindo os produtos com antecedência, foi observada uma alta de 180% no preço do fertilizante na comparação com 2021. Mas não foi só o adubo que subiu. O último levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq-USP, mostra que no comparativo da safra de soja 2021/22 com 2022/23, o preço do herbicida subiu 189%. O fertilizante registrou alta de 96%, e o custo operacional efetivo aumentou 49%.

Segundo o pesquisador do Cepea, Mauro Osaki, a projeção é que o custo para produzir soja passe de 36 para 41 sacas por hectare.

Diante das incertezas no mercado internacional, a oscilação do dólar preocupa, e mesmo com a queda da moeda norte-americana, os preços dos insumos não devem recuar.

A preocupação do setor é que o cenário prejudique a atividade e reflita em toda a cadeia produtiva. A Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) acredita que não irá faltar fertilizantes no mercado, mas a alta dos preços pode provocar aumento dos alimentos.

Comentários do Facebook

Veja também

- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade-