13.4 C
Dourados
terça-feira, 9 de agosto de 2022

Como os Crimes Cibernéticos Ameaçam a Sustentabilidade Ambiental?

- Publicidade -

Ameaças cibernéticas também representam um grave perigo aos sistemas e projetos ambientais e a cibersegurança é cada vez mais essencial

Quando o tema é segurança cibernética e ameaças digitais, nossa maior preocupação é com a integridade dos nossos dados bancários, arquivos pessoais, informações sigilosas e nossa privacidade enquanto usuários.

Apesar de estas preocupações serem extremamente válidas, os danos causados por ameaças e crimes cibernéticos não se limitam a estas áreas. Ao contrário: até mesmo soluções de sustentabilidade ambiental são extremamente prejudicadas por elas.

Os perigos virtuais fazem com que empresas, governos e pessoas busquem cada vez mais por soluções de cibersegurança como sistemas robustos de firewall, antivírus mais sofisticados, software de VPN (seja VPN para iPhone, Android ou qualquer outro sistema operacional e tipo dispositivo) e treinamento de equipes profissionais de TI.

Os perigos das ameaças cibernéticas

Crimes virtuais e ameaças cibernéticas causam perda de dados (principalmente por ataques de phishing e ransomware), vazamento de informações corporativas sigilosas, comprometimento de sistemas e até interrupção de serviços inteiros.

Ciberataques representam um dano imenso à propriedade não só digital, mas também física, além de perigos às pessoas enquanto indivíduos e até a empresas e governos inteiros, o que também inclui serviços, plataformas e projetos de sustentabilidade (e projetos ambientais em geral).

Empresas que lidam em maior escala com recursos naturais (como mineradoras, refinarias, matrizes de produção energética, fábricas ou outros tipos de instalações) dependem muito de tecnologias digitais automatizadas para maximizar a produtividade, cortar gastos e diminuir impactos no meio ambiente.

E a Quarta Revolução tem promovido uma integração ainda maior de sistemas e automação de processos, o que torna estas estruturas mais suscetíveis a ataques e ameaças digitais.

Como os cibercrimes afetam a sustentabilidade ambiental?

Qualquer projeto de gerenciamento de recursos, redução de desperdícios, monitoramento ambiental, pesquisas ecológicas e outras atividades que exijam estruturas de controle e gerenciamento eficientes precisam de ferramentas digitais e automação.

E estes sistemas, como qualquer outro tipo de recurso digital, estão suscetíveis a ciberataques que incluem todo tipo de malware e tática de invasão. Estas ameaças cibernéticas podem ocasionar danos difíceis de mensurar e de predizer.

Hoje, grande parte dos processos depende de recursos como o SCADA (Supervisory Control and Data Acquisition, ou “sistemas de supervisão e aquisição de dados”), ou seja, software que permite o monitoramento e a supervisão de processos e equipamentos industriais.

Estes sistemas e recursos de software também são suscetíveis a ataques e invasões cibernéticas e, consequentemente, aos danos que podem ser causados por ataques internos e/ou externos.

Danos ambientais causados por ciberataques

Para grande parte das pessoas, isto pode parecer um discurso superficial e até abstrato, mas há casos concretos que comprovam o quanto estas ameaças podem causar em termos de danos ao meio ambiente.

Em 2015, um grupo de hackers invadiu uma empresa de siderurgia na Alemanha através de um ataque de phishing. Eles conseguiram manipular os sistemas de controle de produção, impedindo o desligamento dos fornos, o que gerou um nível elevado de poluição e danos às propriedades.

Um destes exemplos é o caso ocorrido no ano de 2000 em Maroochy Shire, na Austrália, quando um profissional de TI desativou os sistemas de alarme que detectavam vazamentos em uma instalação de petróleo perto de Long Beach.

O homem realizou o ataque como forma de sabotar a empresa por não ter sido contratado de forma permanente para o cargo. Como resultado da sabotagem, mais de 800000 litros de resíduos sem tratamento foram despejados nas águas.

Segurança digital e ambientalismo andam lado a lado

Projetos ecológicos (especialmente em larga escala) precisam de tecnologia e, sem ela, é quase que inimaginável reverter ou diminuir efeitos das mudanças climáticas e impactos no meio ambiente.

Monitorar espécies que estão em risco de extinção, tratar de forma adequada o descarte de resíduos, gerenciar processos de reciclagem, lidar de maneira efetiva com componentes químicos, gestar e implementar projetos de reflorestamento e qualquer outra atividade ecológica podem e devem contar com recursos tecnológicos para incrementar os potenciais.

Só que é essencial garantir segurança cibernética adequada para que estes recursos sirvam para melhorar estes projetos, ao invés de gerar ainda mais danos e riscos. Falar sobre cibersegurança é algo que caminha concomitantemente com projetos ambientais.

Os riscos são reais e não devem ser subestimados

A conectividade do mundo atual é um processo em evolução e aprofundamento que dificilmente pode ser anulado ou revertido. E, junto com a automação e informatização dos processos, há uma série de riscos que devem ser encarados de forma eficiente e coordenada.

Hoje, os riscos de danos ambientais por comprometimento de sistemas que lidam com petróleo (e seus derivados), produtos químicos, geração de energia, gás e outras infraestruturas críticas são fatores cada vez mais reais. Inúmeros setores da economia global são cada vez mais dependentes de máquinas e sistemas que estão sujeitos aos danos causados por ameaças cibernéticas.

A maioria das soluções de cibersegurança se volta para a proteção de dados, mas há ataques que podem custar muito mais do que perdas de dados e eventos como desastres ambientais podem acarretar imensas perdas de inúmeras espécies, de ecossistemas inteiros e também de vidas humanas.

Imaginar os cenários mais catastróficos e se preparar para eles não é mais uma questão de ficção científica, mas de uma realidade concreta. Se as soluções para a crise ambiental global exigem ações reais e efetivas, investir em cibersegurança para minimizar estes danos também faz parte destas políticas.

Como aprimorar a segurança dos sistemas digitais

Empresas, ONGs, governos e pessoas devem se estruturar contra ameaças cibernéticas e este preparo deve incluir medidas necessárias para manter atividades e economias ecologicamente sustentáveis.

Para isto, é essencial manter bons firewalls, antivírus robustos e sempre realizar as atualizações de segurança e outros recursos em sistemas operacionais, apps, programas e recursos diversos.

Há medidas adicionais que são extremamente recomendadas, como usar software VPN e adotar políticas eficientes para evitar ataques e táticas de phishing e ransomware (além de outras formas de ataque).

Treinar e manter equipes profissionais em TI, realizar backups com frequência e manter os arquivos em nuvem, além de manter sistemas de emergência caso os serviços principais sejam comprometidos também fazem parte de políticas necessárias para melhorar a cibersegurança.

Comentários do Facebook

Veja também

- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade-