40.1 C
Dourados
quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Produtores de soja economizam 50% na aplicação de inseticidas

- Publicidade -

Embrapa Soja

Nos últimos 10 anos, os produtores do Paraná, que adotam o Manejo Integrado de Pragas (MIP) na cultura da soja, estão conseguindo reduzir, em média, 50% nas aplicações com inseticidas. Este é um dos resultados surpreendentes que a Embrapa Soja e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná) observaram em lavouras comerciais de soja que adotam as boas práticas agrícolas. As informações estão apresentadas na recém-lançada publicação Resultados do manejo integrado de pragas da soja na safra 2022/2023 no Paraná (Documentos 455).

O MIP Soja é recomendado desde os anos 70, porém, nos últimos dez anos, foram sistematicamente acompanhadas 1.639 lavouras que adotaram as estratégias preconizadas pelo MIP. Essas lavouras conseguiram reduzir de 3,6 para 1,7 o número de aplicações de inseticidas. “O valor é equivalente a uma economia de 2 sacas de soja por hectare. Essa diminuição no uso de químicos reduz a exposição dos aplicadores e promove uma agricultura com menor custo e maior rendimento”, defende a pesquisadora da Embrapa Soja, Roberta Carnevalli.

Apenas na safra 2022/2023, foram acompanhadas 150 unidades de referência (URs) em MIP-Soja, instaladas em lavouras comerciais de 101 municípios. As URs foram conduzidas seguindo um protocolo técnico pré-estabelecido entre os pesquisadores e os técnicos de extensão rural do IDR-Paraná. “Além dos excelentes resultados que obtivemos com o MIP, outro diferencial é a compilação de dados e elaboração anual de publicação com a divulgação dos resultados”, ressalta o coordenador do projeto grãos do IDR-Paraná, Edivan Possamai.

Possamai explica que esse processo de adoção do MIP vem sendo realizado pelos produtores com o apoio de profissionais da assistência técnica, o que permite mensurar o impacto na adoção da tecnologia. “Os resultados mostram ser possível aliar redução de custos, devido à redução no número de aplicações, que se reverte ainda em maior rentabilidade e menor impacto ambiental”, ressalta.  “É relevante destacar que este trabalho é fruto de uma parceria entre a pesquisa (Embrapa) extensão rural (IDR-Paraná)  e o sistema FAEP Senar, o que fortalece muito as ações desenvolvidas”, diz.

Além do MIP, vêm sendo avaliadas outras práticas agrícolas: Manejo integrado de Doenças e Coinoculação.  A partir da safra 23/24, o programa se ampliará com a introdução de mais um protocolo para avaliar as boas práticas no manejo Integrado de plantas daninhas e manejo de solo.  

Fundamentos do MIP –  Entre os princípios básicos do MIP está o monitoramento da lavoura, com o uso de um pano de batida que indica a quantidade de insetos presentes na lavoura. A tomada de decisão sobre a aplicação de inseticidas será feita apenas quando os níveis de ação preconizados pela pesquisa sejam atingidos (dois percevejos encontrados no pano de batida ou, em média, 20% de desfolha para o controle de lagartas). Havendo necessidade de pulverização, recomenda-se o uso de uso de produtos mais seletivos, ou seja, que têm eficácia pontual no problema.

Veja também

- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas Notícias

Pixbet ou Betano: Onde Apostar?

- Publicidade-