Dia das Crianças sai mais caro este ano; lojas abrem no feriado da Divisão

Comércio atende no feriado desta quinta e shopping em horário especial dia 12

09/10/2018 09h02 - Por: Maria Lucia Tolouei


 
Dia da Criança movimenta feriadão no comércio de Dourados
foto - Cido Costa/DouradosAgora Dia da Criança movimenta feriadão no comércio de Dourados
foto - Cido Costa/DouradosAgora

O comércio aposta nas vendas do Dia da Crianças, comemorado na sexta-feira (12) feriado nacional da Padroeira do Brasil. Nesta edição, presentes e comemorações poderão sair mais caros, respectivamente, 7,62% e 1,17%, com gasto médio de R$ 141,68 e R$ 142,95.

Segundo o Sindicom, as lojas de rua abrem das 8h às 18h no Dia da Divisão do Estado, quinta-feira (11). O Shopping Avenida Center atende em horário normal, das 10h às 22h. Os lojistas estão otimistas quanto à recuperação do caixa para suprir a demanda do fim de ano.

No Dia das Crianças, o centro fecha mas no shopping o atendimento diferenciado será do meio-dia às 20h. Oportunidade para quem deixou a compra dos presentes para a última hora.

De acordo com pesquisa Fecomércio MS, Sebrae e Sindicom, divulgada em setembro, a data deve injetar quase R$ 10 milhões na economia de Dourados, perto de R$ 130 milhões em Mato Grosso do Sul e mais de R$ 78 milhões no conjunto de 15 cidades onde a enquete foi realizada.

Segundo o presidente do Sindicom, Valter Castro, no município de Dourados, cerca de 61,7% do montante estimado, ou seja, R$ 5,73 milhões serão destinados à compra de presentes e 38,31% (R$ 3,56 milhões) às comemorações. Brinquedos, roupas e calçados lideram a lista de pedidos que incluem, ainda, passeios.

Apesar do resultado e o otimismo do empresariado, o setor prevê redução do número de pessoas que tenderão a presentear e comemorar no Dia das Crianças. Diante disso, o comércio já admite pensar em estratégias para atrair a clientela, especialmente pessoas acima dos 60 anos, que costumam mimar os netos, sobrinhos e outros parentes.

A pesquisa realizada pelo Fecomércio entre 13 de agosto e 3 de setembro, em Dourados e outros 14 municípios de MS, mostra que a preferência por passeios tende a sobressair aos demais presentes, neste Dia das Crianças 2018. O dinheiro continua prevalecendo, como forma de pagamento.

No entanto, conforme observa Valter Castro, aumentou a utilização do cartão de crédito e parcelamento. Isso ocorre por conta da recuperação da clientela, antes impedida de comprar no crediário por conta de dívidas acumuladas. Apesar disso, o período eleitoral e incertezas políticas afetam as decisões dos consumidores.

Estatística

A pesquisa realizada em Dourados aponta que participantes com idades entre 15 e 20 anos respondem por 23,92% dos entrevistados; os que completaram o ensino médio completo são 39,19%; aqueles que ganham de R$ 995,00 a R$ 2.862,00 representam 48,35% e os que consideram que a situação econômico-financeira está igual, em relação ao ano passado são 44,78% do total de entrevistados.

Com relação à intenção de consumo, houve uma redução de 19,14 %. no número de pessoas que presentearão as crianças, em comparação ao período passado. Eram 58,33% em 2017, contra 39,19% neste ano. O universo dos que vão comprar brinquedos para o Dia das Crianças representa mais da metade (51,58%), roupas (35,26%) e calçados (4,74%). As compras ocorrerão na semana do evento (67,63%), em lojas do centro (72,73%), utilizando o dinheiro como forma de pagamento (79,89%).

A clientela que leva em consideração o valor do produto corresponde a 33,80%; preço (33,10%) e atendimento (23%), elementos esses também admitidos como mecanismos para surpreender os consumidores.

Estima-se um gasto médio de R$ 141,68, que deteve um aumento de 7,62%, já que no período anterior alcançou R$ 131,64.

O percentual daqueles que pretendem investir em comemoração é ainda menor dos que presentearão, pois há uma projeção de leve redução de 3,36% do número de pessoas que gastarão com comemorações (23,16%), na comparação com o ano passado.

Entre estes, que farão comemorações, 23,16% gastarão em média R$ 142,95 e as festas serão realizadas, principalmente, em casa (61,25%); em outros locais, (28,75%).



Envie seu Comentário