Estudantes indígenas são Agentes Ambientais em projeto

18/04/2019 07h04


Estudantes indígenas das escolas Guateka e Tengatuí Marangatu são aliados do projeto de extensão "Nascente Viva: Ações Sócio Econômica e Ambiental da Aldeia de Dourados – MS" desenvolvido na Reserva Indígena de Dourados. Os alunos são bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Extensão (PIBEX/UFGD) e atuam como Agentes Ambientais.

O "Nascente Viva" comemorou seu 1º ano. O projeto visa restaurar a vegetação nativa às margens do Córrego Jaguapiru, que desemboca no Córrego Laranja Doce. Os estudantes indígenas Agentes Ambientais campinam, plantam mudas e ainda auxiliam na estruturação de um Viveiro de Mudas com capacidade para mais de 10 mil mudas nativas para atender o projeto.

Segundo a professora da Faculdade de Ciências Biológicas e Ambientais (FCBA/UFGD, coordenadora do projeto Zefa Valdivina Pereira, já foram plantadas mais de 40 espécies de árvores nativas ao longo da margem. "Por lei, uma Área de Preservação Permanente como essa deve ter vegetação nativa para a preservação do leito do córrego, isso perserva a biodiversidade e protege os moradores das proximidades". Além dos estudantes indígenas Agentes Ambientais, o projeto conta também com a atuação de graduandos e pós-graduandos da UFGD.

São 13 hectares de área para serem restauradas. O projeto "Nascente Viva" é uma parceria da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PROEX/UFGD) com a Associação das Mulheres Indígenas de Dourados (AMID), Associação de Produtores Orgânicos de MS (APOMS) e GRUPO Team Tarahumara Fans da Alemanha.


Envie seu Comentário