Família denuncia violência recebida de 'índios forasteiros'

11/01/2019 14h12 - Por: Flávio Verão


 
Sebastião com a esposa e os dois filhos procuraram o Dourados Agora para denunciar violência na aldeia Jaguapiru Sebastião com a esposa e os dois filhos procuraram o Dourados Agora para denunciar violência na aldeia Jaguapiru

Família de indígenas na aldeia Jaguapiru em Dourados denuncia a violência praticada por grupo de índios de aldeia de Caarapó. O clima é tenso e dois jovens foram feridos na cabeça com foice.

Sebastião Fernandes e a esposa Maria Aparecida vivem na aldeia douradense e dizem que há cerca de três anos um grupo de aproximadamente 30 índios de Caarapó invadiu um sítio às margens do anel viário, vizinho a Jaguapiru. Desde então não existe mais sossego.

O indígena procurou o Dourados Agora depois de ameaças recebidas nos últimos dias e da violência contra seus dois filhos, Élcio e Leonildo, na noite de Natal. "O grupo queria invadir a minha casa e os meninos foram atingidos na cabeça com foice", contou.

O confronto não acontece apenas com a família de Sebastião. Ele diz que outros vizinhos também não tem sossego. "Furtam nossas casas e pegam o que acham pela frente", disse.

Vários boletins de ocorrência foram feitos na delegacia e nada foi feito. "Será que vão esperar acontecer uma morte?", indagou Sebastião, que teme sair de casa e deixar a mulher no local com a nora e netos.

O filho mais velho, Élcio, trabalha numa construtora na cidade e pensa deixar o emprego para ajudar a proteger a família. Ele teme voltar para casa e se deparar com alguma tragédia.

A área ocupada pelo grupo, segundo Sebastião, é propriedade particular. "Eles chamam de retomada, mas pra mim é invasão", afirmou. O indígena aguarda uma reunião no Ministério Público Federal (MPF) de Dourados em busca de solução.

Sebastião já coletou assinatura de vizinhos pedindo a retirada do grupo de 30 pessoas do local. A Funai, para ele, deixou de atender as expectativas dos indígenas, e com isso não procurou a entidade, responsável por representar os povos indígenas.


Envie seu Comentário