Anfavea: carro mexicano pode levar vantagem sobre produção nacional

11/05/2019 07h28 - Por Agência Brasil


 
Marcelo Camargo/Agência Brasil Marcelo Camargo/Agência Brasil

Os carros mexicanos podem passar a competir com a produção brasileira, segundo avaliação da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Desde março, passou a vigorar o livre comércio para veículos automotivos leves, sem cobranças de taxas, entre o Brasil e o México.

"Eles têm uma vantagem competitiva relevante. Com o livre comércio, eles podem ter uma vantagem em relação à produção local", disse, em São Paulo, o presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes, após apresentação do balanço do setor.

Um estudo encomendado pela Anfavea à consultoria PwC mostrou que um carro mexicano pode ser vendido no Brasil com um valor menor do que um produzido aqui.

Segundo relatório da consultoria, os veículos fabricados no México custam quase 18% menos do que os feitos no Brasil.

Assim, mesmo com os custos de importação, pode ser mais barato um carro mexicano do que um veículo nacional semelhante. Entre os gastos que criam a diferença dos custos de produção estão as despesas com material e os custos burocráticos e tributários.

"O objetivo desse estudo foi tirar uma foto do setor automobilístico neste momento. [Além de] mostrar onde estão os problemas e usar esse estudo para ajudar o governo a encontrar mecanismos para resolver a questão do custo Brasil", disse o presidente da Anfavea.

"Como nós temos uma indústria muito grande no Brasil, uma capacidade de produção de 3 milhões, nós temos que cuidar das produções locais, dos empregos locais", acrescentou Moraes sobre a necessidade de atenção ao setor com a mudança da relação comercial entre os dois países.

Projeções

Para este ano, a Anfavea estima um crescimento nas vendas e na produção de 11%. Nos primeiros quatro meses do ano, foram produzidos 965,4 mil veículos, uma retração de -0,1% em relação aos 965,9 mil fabricados de janeiro a abril de 2018.

As vendas totalizaram 839,5 mil unidades no acumulado dos primeiros quatro meses do ano, uma alta de 10,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

As exportações, no entanto, têm sofrido com os impactos da crise na Argentina, que chegou a ser destino de 70% dos veículos brasileiros enviados ao exterior.

As exportações tiveram queda de -45% no acumulado de janeiro a abril, com a comercialização de 139,5 mil unidades no mercado externo.

No mesmo período do ano passado as vendas para o exterior somaram 253,4 mil veículos. Em abril, a retração ficou em -52,3% em comparação com o mesmo mês do ano passado, com a exportação de 34,9 mil veículos.

Segundo Moraes, as montadoras vêm buscando outros parceiros comerciais para escoar a produção que era vendida no país vizinho.

"Muitas montadoras estão tentando compensar com outros países; então mais para frente, a gente vai ter uma visão mais clara se essas ações da indústria automobilística vão compensar, parcialmente pelo menos, a queda brusca da Argentina", ressaltou sobre as negociações feitas com países do Oriente Médio e a África do Sul.


Envie seu Comentário