Governo proíbe comércio de mercúrio a partir de 1º de janeiro

31/12/2018 16h08 - Por Governo do Brasil


 
População ainda pode usar termômetros e aparelhos de pressão que já foram adquiridos - Foto: Arquivo/ACPD População ainda pode usar termômetros e aparelhos de pressão que já foram adquiridos - Foto: Arquivo/ACPD

Para reduzir os riscos de contaminação de pessoas e do meio ambiente pelo mercúrio, o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiram a produção, importação e venda de termômetros e aparelhos de pressão que contêm colunas de mercúrio.

A medida segue as determinações da Convenção de Minamata, assinada pelo País. O texto foi debatido no âmbito das Nações Unidas e foi reconhecido por 140 países em 2013 para reduzir o uso do mercúrio em vários itens, como pilhas e lâmpadas por exemplo.

Contudo, produtos usados em pesquisas científicas e/ou para calibrar instrumentos, não foram atingidos pela proibição.

Isso porque o elemento químico pode provocar problemas neurológicos e na tireoide a longo prazo. Quem já possuir os equipamentos com mercúrio pode continuar a utilizá-los, com os devidos cuidados.

O Ministério da Saúde pretende iniciar uma campanha para recolhimento dos equipamentos com mercúrio, mas ainda não há data prevista.

Se houver acidentes com termômetros em casa e as bolinhas de mercúrio se espalharem, o ideal é isolar o local para evitar que crianças tenham contato com o material e abrir as janelas para arejar o ambiente.

Além disso, para juntar as bolinhas, a recomendação é usar algum material, como papel cartão, para evitar a contaminação e guardá-las em um recipiente resistente de plástico ou vidro.

Com informações do Ministério da Saúde e Ministério do Meio Ambiente


Envie seu Comentário