22.2 C
Dourados
sábado, 22 de janeiro de 2022

Profissionais não adequados aumentam riscos de morte em cirurgias plásticas

- Publicidade -

08/10/2020 09h24 – Por: Valéria araújo/ Progresso

Um procedimento que pode deixar marcas por toda a vida ou até mesmo causar a morte. As cirurgias plásticas,podem ser o alívio ou a decepção de um paciente. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) existem 12 mil médicos que realizam esses procedimentos sem nenhum título de especialização. A entidade afirma que essas operações de médicos sem especialização resultaram em número considerável de mortes no Brasil.

Em Dourados, o médico cirurgião plástico, João Alberto Gusman, explica que cirurgia plástica só deve ser realizada por profissionais qualificados em ambientes que ofereçam segurança aos pacientes, como hospitais ou clínicas credenciadas pela vigilância sanitária e CRM. Segundo o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, 97% dos processos em cirurgia plástica são contra médicos sem o título de especialista. Em entrevista ao O PROGRESSO, João Alberto Gusman afirma que a procura de profissionais não adequados, aumenta em muito os riscos e complicações, como infecções graves, seqüelas e óbitos.

O boom das selfies contribuiu para o aumento na procura por cirurgias plásticas? Por quê?

Isto é muito interessante. Um psiquiatra inglês mencionou em entrevista que hoje o ser humano não desfruta da felicidade própria e vive em função de mitos. Ou seja, se eu não tiver o corpo de um determinado modelo ou a conta bancária do ídolo do futebol, não serei um sujeito realizado. Então, o ser humano esquece de verificar o quão positivo e boas são as coisas que já alcançamos. Em alguns casos, um apoio psicológico seria até muito mais importante do que a própria cirurgia. É a busca da auto-estima.

O paciente ideal para a plástica entende que a cirurgia vai oferecer uma melhora que deve ser acompanhada por mudança de postura. Aquele que busca, com a plástica, corrigir casamento, encontrar emprego, ter o marido de volta está enganado. Na realidade, vai ficar com alguma dívida, uma cicatriz e ainda o problema que não teve condição de enfrentar de outra forma. Neste caso, a plástica causa frustração. Hoje, 80% dos que fazem cirurgia plástica saem satisfeitos e bem realizado; 5% necessitam de algum retoque ou correção e 15% são os pacientes bem operados e ainda insatisfeitos. Neste último caso, o problema tem relação com uma baixa auto-estima.

Existe uma beleza ideal?

O conceito de belo é subjetivo. Uma pessoa com baixa auto-estima às vezes não se cuida. Eu não preciso ser um Brad Pitt para desejar estar bem cuidado. Devo fazer exercícios, não apenas para ser bonito, mas principalmente para me sentir bem. Sempre existe uma possibilidade de melhora. Nós, cirurgiões plásticos não temos o dom da transformação.

Somos parte de um processo. O que a gente faz é apresentar opções de tratamentos para problemas que incomodam a pessoa. Quem faz a transformação é o paciente. Se o paciente não remove as causas, não vai fazer desaparecer as consequências. Uma pessoa que tem uma pele feia porque fuma muito e quer fazer uma cirurgia, após seis meses vai estar pior do que estava.

Quais cuidados os pacientes precisam ter antes de passarem por um procedimento ou cirurgia plástica?

A cirurgia plástica só deve ser realizada por profissionais qualificados em ambientes que ofereçam segurança aos pacientes, como hospitais ou clínicas credenciadas pela vigilância sanitária e CRM. Segundo o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, 97% dos processos em cirurgia plástica são contra médicos sem o título de especialista. A procura de profissionais não adequados, aumenta em muito os riscos e complicações, como infecções graves, seqüelas e óbitos.

Quais os procedimentos cirúrgicos mais procurados?

Com certeza as cirurgias de mama, tanto para aumento com silicone ou redução em casos de mamas volumosas e as lipoaspirações.

Abdominoplatia: Em quais os casos utilizar esse procedimento?

As cirurgias abdominais são avaliadas junto com cada paciente , vendo qual técnica seria mais correta em cada caso. Isso é uma conduta individualizada , discutindo possibilidades de futuras gestações que podem prejudicar o resultado. A cirurgia plástica deve ser vista como uma forma de recuperar a auto-estima dos pacientes, que por razões de idade, gestações e deformidades causadas por doenças ou acidentes, queiram melhorar a sua imagem. Devemos lembrar que todos os procedimentos têm limites de segurança. Não se pode fazer o que o paciente deseja, mas sim o que é seguro e adequado para cada caso. Na minha opinião segurança sempre tem que estar em primeiro lugar.

É uma cirurgia acessível?

Sem dúvida, hoje em dia está mais acessível do que no passado, porém uma estrutura adequada e bons profissionais tem um custo que é bem superior aos de profissionais sem formação, ou de países que não oferecem recursos de segurança.

Quais os riscos?

Normalmente inchaços, hematomas e mais raramente infecções nas áreas operadas. As limitações são dadas pela estrutura do organismo de cada paciente, sendo que, não nos é possível fazer com que uma paciente de pele flácida, se torne firme após a cirurgia. A cirurgia apenas retira os excessos de tecido e modela regiões anatômicas, contudo as transformações dependem principalmente de mudanças de hábitos de vida, como parar com tabagismo, se alimentar adequadamente e praticar atividades físicas regulares. Porém, mesmo com todos os recursos de seguranças existentes, podem ocorrer imprevistos em cirurgias, levando a problemas às vezes graves, como reações alérgicas, problemas cicatriciais ou infecções, que, quando devidamente tratadas evoluem sem maiores complicações. Os riscos não são maiores do que atravessar uma rua ou dirigir um carro.

Como saber se meu cirurgião plástico é qualificado?

Em todo mundo profissionais sem a devida formação técnica e humana vem se aproveitando da expansão do mercado de beleza para se inserirem nesse segmento, visando apenas o lucro fácil, em detrimento à segurança dos pacientes, realizando procedimentos nos quais não se encontram aptos para realizarem.

O cirurgião plástico tem que passar por 2 anos de especialização em cirurgia geral e depois mais 3 anos de especialização em cirurgia plástica. Isso, é óbvio, depois de 6 anos regulares no curso de medicina. Portanto, são 11 anos de preparo mínimo. Para ter o certificado de especialista, ainda tem que passar em provas de conhecimento na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, com exames escritos, orais e avaliação curricular. Medicina estética não é especialidade reconhecida pela Associação Médica Brasileira ou pelo Conselho Federal de Medicina, existindo cursos irregulares de duração de 6 meses, somente aos finais de semana. Daí já se percebe a grande diferença de formação.

O que o senhor diz sobre a procura por esses procedimentos cirúrgicos de pacientes brasileiros no Paraguai? Vale a pena?

Nada temos que falar contra os profissionais médicos, porem devemos lembrar aos pacientes ,que mais importante que o próprio ato cirurgico ,são os retornos pos operatórios. Fazer uma cirurgia sem ter o acompanhamento adequado pode ser muito arriscado. O ideal é que consulte com médicos de família, que possam opinar sobre a sua escolha ou que acesse o site www.cirurgiaplastica.org.br ou o Conselho Regional de Medicina do seu estado.

Dr. João Alberto Gusman

Veja também

- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade-