Bimboo

 

Previsão do Tempo

Dourados
+20°C
17/07/2012 06h17

Crise na Saúde indígena gera onda protestos

Postos vão reduzir serviços pela metade a partir de amanhã e a medida pode se estender a todo o Estado

 
Valéria Araújo/OP
Indígenas durante manifestação por melhorias na Saúde, ontem na Sesai de Dourados. Foto : Hédio Fazan/O Progresso
Indígenas durante manifestação por melhorias na Saúde, ontem na Sesai de Dourados. Foto : Hédio Fazan/O Progresso

A crise na saúde indígena gerou protestos ontem pela manhã em frente a sede da Secretaria especial de Saúde Indígena (Sesai) em Dourados. Com faixas e cartazes, o grupo denunciou a falta de insumos, medicamentos, veículos e materiais para os servidores. Amanhã haverá manifestações na Reserva de Dourados com a participação de indígenas de todo o Estado.

O objetivo é chamar a atenção do poder público em relação a problemática enfrentada. Depois de atendimentos em dias alternados, conforme ocorreu na semana passada, os postos de Saúde da Reserva Indígena passam a atender com 50% dos serviços. Isto significa metade de servidores, medicamentos, insumos e atendimentos disponibilizados à população. A comunidade pretende intensificar a onda de manifestações.

De acordo com o presidente do Conselho Distrital Indígena, Fernando de Souza, os postos de saúde estão atendendo no limite de insumos de todos os tipos. No início do mês, lideranças e membros do movimento indígena de Mato Grosso, usuário do subsistema de atenção à saúde, representando mais de 70 mil índios, juntamente com os 700 profissionais de saúde de Mato Grosso do Sul, encaminharam carta a Presidência da República relatando a crise na saúde indígena do Estado. Além de outros problemas, o documento aponta a falta de irregularidade na distribuição de medicamentos, já que o volume disponibilizado não tem atendido a demanda.

“Geralmente o que é destinado aos postos não dá para o mês, o que deixa muitos índios sem determinados tipos de medicamento. Esta semana só vamos conseguir manter abertas as unidades porque a Sesai encaminhou um pouco de medicamentos, porém, na segunda-feira, os postos ficaram fechados”, disse.

Faltam materiais, equipamentos e insumos para as equipes de saúde, fato que, segundo Fernando, vem prejudicando enormemente a qualidade dos serviços. “O serviço de limpeza das Unidades de Saúde nas aldeias está sendo executado pelos agentes e profissionais de saúde. Também não há serviço de manutenção dos prédios e equipamentos como os pólos base, Casas de Apoio Indígena (Casai), postos de Saúde e até materiais, que estão em péssimos estados de conservação”, denuncia.

O relatório aponta ainda deficiências de viaturas para atender o Programa de Saúde Indígena, tendo em vista que as utilizadas pelas equipes de saúde e para o transporte de pacientes a maioria estão sucateadas sem as mínimas condições de utilização, oferecendo riscos aos pacientes e trabalhadores.

O problema é tão grave, segundo Fernando, que na última quinta-feira um paciente da Aldeia Panambizinho morreu devido a demora no socorro. “Um jovem de 29 anos começou a sentir dor forte no abdome e chamou a viatura da Sesai. Como há apenas uma para atender toda a extensão da aldeia à noite, o socorro chegou só depois de 4 horas. O paciente já estava com respiração ofegante e morreu antes de chegar no hospital”, destaca, observando que apenas uma viatura está disponível no período noturno para a Reserva Jaguapirú, Bororó e Panambizinho, com 13 mil índios.

No documento, as lideranças afirmam que além da falta de viaturas, não há serviço de higienização e de borracharia, sendo estes serviços realizados pelos motoristas com recursos próprios. São cerca de 25 viaturas oficiais da Sesai com documentação irregular e com licenciamentos atrasado, que estariam em plena atividade irregularmente. Em Dourados, todas as cinco unidades de saúde na Reserva vão atender em dias alternados a partir da próxima semana.

OUTRO LADO

O presidente da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), Nelson Olazar, explicou recentemente ao O PROGRESSO, via telefone, que desconhecia a falta de alimentos e materiais de limpeza na Casai. Reconheceu que faltam servidores no Estado mas anunciou a contratação de 80 para o MS. O processo está em andamento através de uma ação emergencial. Em relação aos insumos, ele explica que há barreiras em relação aos processos burocráticos que precisam ser cumpridos para atender a lei o que demanda um tempo maior, mas que aos poucos tudo está sendo resolvido.

O presidente disse que já encaminhou projetos para a aquisição de subsídios para a Sesai em Brasília e que tão logo haja a aprovação deste documento é possível a abertura de licitação para o fornecimento de insumos diversos. Ele diz que o problema com os servidores se dá devido ao fato que é a primeira vez que a Sesai realiza este procedimento, inclusive com novas normas, já que antes isto era responsabilidade das prefeituras.



Envie seu Comentário

Antes de escrever seu comentário, Atenção! O Dourados Agora não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Restamcaracteres. * Obrigatório
 

As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos autores.
Copyright © 2011 - DouradosAgora - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por: Lobo Tecnologia&Internet

logo-bimboo