Primeiros socorros nas escolas: uma boa ideia

25/07/2018 08h51 - Por: Eduardo Marcondes*


 
Eduardo Marcondes, médico pediatra Eduardo Marcondes, médico pediatra

Um dos momentos mais tristes para um médico é anunciar à família o óbito do paciente do qual estava tratando. Creio que para os pediatras esse sentimento se aflora ainda mais. Infelizmente vivi essa situação em vários momentos na minha carreira profissional.

Os piores casos são aqueles em que a morte poderia ter sido evitada e, por um motivo ou outro, não foi.Nunca, é bom que se frise, há culpados intencionais. Todos sempre fazem o que podem para salvar vidas, do leigo aos profissionais da medicina. Foi com satisfação que li matéria publicada em O Progresso de que um vereador (o vereador Carlito do Gás) defende que sejam ministrados pelo SAMU e pelo Corpo de Bombeiros cursos de primeiros socorros nas escolas, tendo como público alvo os professores, administrativos e demais membros da comunidade escolar. Uma sugestão sensata e a meu ver muito necessária, como verão os leitores nesta minha colaboração semanal neste generoso espaço de O Progresso.

O âmbito escolar é cenário importante de incidentes que demandam cuidados de primeiros socorros, vez que é um local de oportunidade para que as crianças concretizem suas travessuras que não conseguiram cumprir em casa. As próprias brincadeiras nos intervalos através de corridas, esportes e curiosidade pelo desconhecido, torna esse público susceptível a pequenos traumas que exigem cuidados e não podem ser subestimados. Como promotores desses cuidados estão os professores, muitas vezes em tempo integral. Sendo assim, o professor além de educador, torna-se o primeiro a prestar cuidados de primeiros socorros a seus alunos até a chegada de uma equipe de atendimento pré-hospitalar.

No Brasil, os acidentes são a maior causade morte entre crianças de 1 a 14 anos e no ambiente escolar, estas ocorrências vêm assumindo uma preocupação constante e acontecem com maior frequência em creches e pré-escolas, entre a faixa etária de 0 a 6 anos de idade. Por isso, ensinar e popularizar as práticas de primeiros socorros são de fundamental importância no ambiente escolar, sobretudo a partir da figura dos professores. A educação em saúde é um instrumento para a promoção da qualidade de vida pela articulação de saberes científicos e populares, instrumentalizando o leigo e facilitando a incorporação de ideias e práticas ao cotidiano de forma a atender às suas reais necessidades.

A falta de conhecimento pode acarretar inúmeros problemas, como a manipulação incorreta de vítimas e a solicitaçãodesnecessária do socorro especializado. A importância da disseminação das técnicas de primeiros socorros está na necessidade do atendimento de vítimas que precisam de cuidados imediatos e pela necessidade de uma assistência rápida e qualificada até a chegada dos especialistas no assunto, que são o SAMU e o Corpo de Bombeiros.

Na escola somente após o acidente é que o professor percebe o perigo de uma cadeira próxima à janela ou um móvel pontiagudo na sala de aula. Via de regra os professores não recebem um treinamento adequado em primeiros socorros. Tampouco existe na grade curricular atual dos cursos de licenciatura uma disciplina que ensine noções básicas de primeiros socorros, bem como na estrutura curricular nas redes de ensino. Dessa forma os professores não sabem como agir em situações que ponham em risco a vida e saúde dos alunos, conduzindo de forma inadequada qualquer criança vítima de pequenos acidentes ou que se apresente com outra condição patológica.

A Política Nacional de Promoção da Saúde, instituída em março de 2006, destaca a importância de ser aplicado nas escolas públicas nos anos iniciais palestras informativas, com o objetivo de reduzir acidentes e promover a saúde como um hábito cotidiano dos docentes e discentes.Como pediatra e pelas experiências que vivi, vejo o treinamento de urgências e emergências com professores e funcionários do sistema de ensino fundamentalcomo política pública de fundamental importância,visto que afalta de socorro imediato não só contribui com o agravamento do estado da vítima, como resulta em maior tempo de permanência hospitalar devido a complicações.

*Pediatra



Envie seu Comentário