Progresso para acabar com tuberculose nas Américas deve ser acelerado, afirma OPAS

09/10/2018 12h09 - Por ONU


 
Radiografia para diagnóstico de tuberculose. Foto: Flickr (CC)/Yale Rosen Radiografia para diagnóstico de tuberculose. Foto: Flickr (CC)/Yale Rosen

Embora seja evitável e curável, a tuberculose é atualmente a doença infecciosa mais letal da região das Américas, e sua persistência se deve, em grande parte, às graves desigualdades sociais e econômicas da região, disse novo relatório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

Desde 2015, as mortes diminuíram em média 2,5% ao ano e os novos casos caíram 1,6%. Entretanto, precisam de uma velocidade de decréscimo de 12% e 8% por ano, respectivamente, para atingir as metas intermediárias para 2020 e continuar em declínio até 2030.

As mortes e os novos casos de tuberculose (TB) caíram para 37,5% e 24%, respectivamente, entre 2000 e 2015 nas Américas.

No entanto, o ritmo de declínio deve ser acelerado para que a região consiga pôr fim a essa doença, segundo revela um novo relatório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

O documento "Tuberculose nas Américas 2018", lançado às vésperas da primeira reunião de alto nível das Nações Unidas sobre a doença, proporciona uma avaliação atualizada da epidemia de tuberculose e os progressos realizados com respeito à sua atenção e prevenção na região.

Em 2017, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou 282 mil novos casos de TB nas Américas, 11% deles entre pessoas que vivem com HIV. Ao todo, 87% dos casos se concentram em dez países; Brasil, Peru e México informaram pouco mais da metade do número total.

Estima-se que 24 mil pessoas morreram no ano passado por tuberculose na região, 6 mil delas coinfectadas com HIV.

"Acabar com a tuberculose só será possível se intensificarmos a redução de novos casos e mortes", disse a diretora da OPAS, Carissa F. Etienne.

"Precisamos ampliar o acesso ao diagnóstico e tratamento de qualidade para todos que precisam e abordar os determinantes sociais que afetam a saúde e favorecem a transmissão da doença", observou.

Embora seja evitável e curável, a tuberculose é atualmente a doença infecciosa mais letal da região e sua persistência se deve, em grande parte, às graves desigualdades sociais e econômicas nas Américas.

Desde 2015, as mortes diminuíram em média 2,5% ao ano e os novos casos caíram 1,6%; entretanto, precisam de uma velocidade de decréscimo de 12% e 8% por ano, respectivamente, para atingir as metas intermediárias para 2020 e continuar em declínio até 2030.

Acabar com a epidemia mundial de tuberculose é uma das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A estratégia "End TB" da OMS, adotada pela Assembleia Mundial da Saúde em 2014, tem o objetivo de reduzir em 80% as mortes por TB e a incidência da doença (número de novos casos a cada ano) em 80% até 2030, em comparação com os níveis de 2015.

Diagnóstico, tratamento e TB multirresistente

O relatório observa que mais de 50 mil pessoas na região – quase metade delas com menos de 15 anos de idade – não sabem que têm a doença e não foram tratadas. Essa lacuna de diagnóstico aumentou em 3 mil pessoas, em comparação com 2016.

O teste de diagnóstico rápido, uma nova ferramenta que poderia ajudar a reduzir a diferença, foi usado em apenas 13% dos casos confirmados, um pouco acima dos 9% em 2016.

O tratamento para a tuberculose salvou milhares de vidas. No entanto, nos últimos cinco anos, 75% dos pacientes foram curados, o que está abaixo da meta estabelecida para 2030 (ao menos 90%).

Para acelerar o progresso, o relatório recomenda que os países melhorem o monitoramento dos pacientes para garantir o acompanhamento do tratamento (8,6% o abandonam) e abordar as barreiras de acesso à saúde, entre outras questões.

A tuberculose multirresistente também é uma séria ameaça, com cerca de 11 mil pessoas atualmente infectadas por essa forma da doença na região. Entre aqueles que a desenvolvem, a taxa de cura é de apenas 56%.

Países do Caribe com menor incidência de TB

As Américas são a região com o menor percentual de novos casos de TB no mundo (3% do total) e a primeira região com uma oportunidade real de eliminar a doença como problema de saúde pública.

Segundo o relatório, 15 países, 12 deles do Caribe, têm baixa incidência da doença (menos de 10 casos por cada 100 mil pessoas) e estão em vias de eliminação.

"Os países estão adotando medidas para combater a tuberculose, mas não podem baixar a guarda e devem redobrar os esforços, junto com a colaboração da sociedade em geral, incluindo as comunidades afetadas", disse Marcos Espinal, diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Determinantes Ambientais da Saúde da OPAS.

Entre as outras recomendações do relatório para acelerar o progresso em direção à eliminação da TB, especialmente em países com maior carga de doenças, estão: promover o estudo de contatos com pessoas com TB, especialmente menores de 15 anos; aumentar a implementação de regimes de tratamento mais simples e introduzir drogas para crianças; alcançar as populações mais vulneráveis e abordar os determinantes sociais; bem como garantir que os planos sejam financiados com recursos próprios de um país, em vez de depender de fundos externos.


Envie seu Comentário